All posts filed under: writing

a lua

    Caminham lado a lado, a mulher e o rapazito. Por vezes ele saltita e rodopia, e ela olha-o e sorri como quem se lembra de outras coisas assim. Outros saltos e rodopios. Por vezes ele pára-a, diz-lhe, “olha ali! Olha, olha ali!“ – “É um elefante, estás a ver? Ali a tromba, e as orelhas…“ E ela olha. E vê. É uma cabeça de elefante, a tromba semi-encaracolada, o olho enorme e profundo como um espelho azul de céu, as orelhas enormes espraiadas lado a lado.

vagas

Tantas que são as palavras todas que rimam com a rima única que é amor: conto-as, pelos dedos desfiados todos aqueles fins contados, que se desfiam como as águas e se abrem como as mágoas dos meus olhos palavras tantas, aos molhos como se não mais que flores fossem, ou ávidos dedos que leves rocem na familiaridade da tua pele na brancura exangue do meu papel. Conto-as. Todas quantas foram e vão dos meus lábios à tua mão, do calor à apenas dura dor: as todas, palavras tantas, que levarei rente na memória palavras amargas vagas salgado mar que tu indiferente assim assentas pelo livro da nossa história.   © Nina Light

this moment in time

    The lilac tree is late, in a negation of what lateness is to fecundity – she stands there, punily bare and of a lesser green, almost lost and unseen against the crab apple and her bright and riotous loudly glorious dress of almost, almost almost but not quite pristine whiteness: there are still buds as pink as berries and this morning’s blossom still carries a ghost of pink nacre on their interrupted velvet. The lilac’s is grey silk, old and worn and pale and stale and still bare and barren and late. In my contemplation, I reflect that in the collective soul of my primordial fold, trees are female as is the grass – givers of the life they alone can bless, they can but be called by the lasting caress of a woman word: and thus lateness, blame it on the stalled Spring or some other fate or indifferent word, or on the tree’s lost strife against changeability, becomes fall – and thus Nature without redress will die by man’s sword.   …